Vá em paz.

va em paz

Será que o problema que você vê está no outro?

Estes dias li uma destas postagens correntes de face, onde vc tem que copiar e colar no seu mural ‘se não’ sei lá o que acontece:

‘Exclui alguns amigos do meu facebook, silenciosamente, por causa do jeito como levam sua vida’

Fiquei pensando por uns minutos. Você o excluiu e publicou no seu perfil a notícia da exclusão, como se isso fosse uma penitência pra pessoa.

” Vc levou sua vida de uma forma que eu não concordo, adeus. “

É claro que você tem o direito de fazer isso, aliás, melhor isso do que ficar julgando o outro pelas próprias escolhas. Mas se vangloriar disso é como se você atentasse que é superior a pessoa e está tentando mostrar pra ela que as atitudes dela não está certas.

De novo as diferenças fazendo a gente pensar.

Neste caso, por se importar com a dona que o outro leva a própria vida e o excluir da sua rede de amigos, talvez você esteja olhando pelo espelho pras suas próprias necessidades, pras suas próprias deficiências que você projetou no outro e o puniu por não ter cumprido as suas expectativas.

A gente faz isso fora do facebook também é o tempo todo.

A gente não consegue amar ninguém a ponto de aceitar as diferenças. Que bizarro este amor que só dura enquanto o outro não nos decepciona, não vai embora, não erra, não faz diferente do que julgamos certo.

Que bizarro.

O erro está no outro então, por ter sido o excluído sem nem ao menos fazer ideia do que aconteceu?

Eu acho, meu amigo, que se alguém que foge dos teus padrões não pode ser teu amigo, então, em primeiro lugar, talvez alguns valores seus tenham que ser revisados. E em segundo lugar, sua exclusão deve ter sido uma benção.

De intolerância o mundo tá cheio e quanto mais longe dela estivermos, melhor.

Vai na paz.

Deixe uma resposta