Toda Criança Nasce Artista [ Referência ao filme: Aprovados]

Aprovados é a versão traduzida de “Accepted”.  Um filme americano de 2006 que fala sobre a tradição do ensino. Filme batido da TV aberta, filme antigo, mas mesmo assim tratando de um tema super relevante dos tempos atuais. Que, como qualquer tema super relevante, não tem a atenção que merece.

Tem muito humor na trama, mas em muitos trechos do filme é possível sentir o drama de não um, mas vários estudantes que não conseguem se encaixar em padrões impostos no ramo acadêmico, mas que, mesmo assim sentem em si a necessidade de se profissionalizar.

O protagonista monta uma faculdade onde cada aluno escolhe o que quer aprender. É possível encontrar cursos de todos os tipos, com uma variedade absurda de temas. A proposta é excêntrica, mas o exagero faz com que tenhamos a oportunidade de pensar em tudo. Toda a dor que sente um jovem, que no ápice das suas indecisões sobre a vida, é obrigado a escolher um rumo. E a proposta é simples: Você pode escolher qualquer curso, desde que ele exista na cartilha da universidade. Desde que ele faça parte do padrão.

Cá estamos nós olhando pra cara pouco amigável dos padrões impostos por terceiros.

Nem sempre dá pra escolher o curso que traduz uma paixão, e quando dá nos deparamos com um ensino regado à uma didática ultrapassada, na maioria avassaladora dos casos.

No âmbito educacional, a padronização e a tradição parecem ser motivos de orgulho.

Arte extraída do video de @Perestroika disponível em;. https://vimeo.com/77076213
Arte extraída do video de @Perestroika disponível em:  https://vimeo.com/77076213

 

Quando isso é trazido pra sala de aula como uma forma de incentivar o desenvolvimento de ideias próprias, o ensino é válido. Mas na maioria das vezes, a tradição vem para fazer com que o aluno simplesmente a aceite.

Anos e anos dentro de uma sala de aula, apenas aceitando e engolindo ideias, podem matar um futuro profissional apaixonado e sagaz que antes morava atras de olhos curiosos. Agora, você tem um profissional, tradicional, moldado como um pedaço de argila. Ninguém parou pra pensar que talvez as competências precisem ser melhoradas e não esculpidas.

Nos ensinam a esquecer o nosso lado mais interessante: O lado criativo.

Retiram de nós as possibilidades e deixam apenas o certo, o testado, o comprovado cientificamente. Retiram o novo, e deixam o velho. É como se pegassem um “ultima geração” e tirassem as melhorias feitas, voltando para a versão anterior. Pra que assim, esteja dentro do padrão.

Tudo no mundo, o tempo todo é melhorado. Toda versão que hoje é high technology, amanhã terá um novo protótipo melhorado. A inovação está por toda a parte, contudo, nós somos os mesmos, e os que não são, foram buscar informação fora da caixa pra estimular a criatividade quase perdida. Temos instituições de ensino super competentes, com profissionais brilhantes. Não deveríamos ter que buscar “fora da caixa”.

Me parece muito contraditório.

 

De volta ao filme, o discurso que o ator principal faz como desfecho, traz essa reflexão a tona: “ Se o ensino superior é feito para nos dar possibilidades, por que elas nos são tiradas? ”

O fim do filme é alegre. E eu acredito que o nosso também seja.

Existem muitas instituições que já se deram conta de que a metodologia clássica de ensino forma “soldadinhos de chumbo”. E que o que precisamos aqui, neste mundo é de outra linhagem de seres humanos. Uma linhagem que saiba pensar por si só, criar suas próprias soluções, que trabalhe com paixão e que acima de qualquer coisa, seja criativo, sagaz, e diferente. Cada uma com o seu modo de pensar e realizar. Mas caminhando em frente com todas as possibilidades que puder inventar.

Arte extraída do video de @Perestroika disponível em:  https://vimeo.com/77076213
Arte extraída do video de @Perestroika disponível em: https://vimeo.com/77076213

Considerações: O link que eu deixo ao fim desta postagem é muito especial. De uma galera que está revolucionando o aprendizado, que eu conheci em um evento de inovação, e que eu quero ter a honra de tê-los como “professores” num futuro muito próximo. Caso se interesse em conhecer o trabalho do pessoal, é só entrar no site.

E não, isso não é “Jabá”. Eu indico o que eu acredito. Fim

Site: http://www.perestroika.com.br/

Video : https://vimeo.com/77076213

Enjoy!

<3


Bia (124)

Bia gosta de praia em dia nublado, clima frio e café quente. Anda pela rua falando sozinha e coleciona elefantes e coisas vermelhas. Fala com todos os cães e gatos que encontra na rua, e tem um gosto musical metamórfico, mas o som que mais aprecia, ainda é o de ensaios de violão e piano. Coloca sempre a lealdade em primeiro lugar em tudo, tem olhos que mudam de cor e não gosta de desistir.
Uma desastrada leonina com ascendente em libra, que resolveu fazer engenharia e quando terminou a faculdade percebeu que sua verdadeira paixão, desde sempre, eram as palavras derramadas em folhas de papel.

Deixe uma resposta