Sobre filmes favoritos e pseudo apresentação

Boa tarde, meu nome é Gustavo e, como está lá na biografia, eu não consigo entender pessoas que não conseguem dizer quais são seus filmes favoritos. Eu até tento ajudar, peço para fazer um top 5, uma lista com os que mais gostou. Nem que seja apenas um ou dois.

Então, hoje eu vou listar os meus cinco filmes favoritos, sem ordem de preferência e que, na minha opinião, são algumas das obras mais impressionantes do cinema. Como entendo muito de cinema, vou usar termos técnicos para dar uma breve análise, como, por exemplo, como tal cena me moveu ou como as falas daquela personagem são legais.

  •  Mr. Nobody

Antes de começar a escrever, eu já sabia que esse filme estaria na lista. O problema é que eu não sei se consigo falar alguma coisa sobre sem entregar nenhuma parte da, um tanto confusa, história. Vou dizer, apenas, que é uma poesia em forma de filme que fala sobre escolhas, amores e ficção científica. Como melhorar?

  • A Árvore da Vida

Esse filme, como o primeiro da lista, me acalma nas questões da vida. E, no caso de A Árvore da Vida, nem é pelos incontáveis minutos em slow motion ou pelas cenas sem fala aparente, porém muito bonitas. Se eu entendesse de fotografia, diria que a desse filme é impecável.
A história acompanha a vida de uma família “padrão” americana da década de 50, com foco especial no filho mais velho.  Com uma pegada religiosa e existencialista, entretanto não deixando de ter dinossauros e o próprio Big Bang no roteiro, é bem legal ver o desenrolar dos acontecimentos.

  • Dançando no Escuro

Esse é, de longe, o musical mais lindo e triste que eu já assisti. Com a cantora e compositora Björk no papel principal, o filme nos mostra, por meio de músicas e coreografias, a personagem principal se desdobrando para fazer todo o possível, ênfase no possível, para cuidar e proteger seu único filho. Impossível não se apaixonar pela Selma.

  • O corvo (1994)

O filme de ação das falas legais e dos personagens marcantes.  A história de vingança, adaptada dos quadrinhos de mesmo nome de James O’Barr, foca em Eric Draven que volta dos mortos depois de ter sido assassinado junto com a sua noiva. O filme tem tudo o que os anos 90 oferecia de melhor: os visuais estilosos(?) e a trilha sonora incrível.

  • Paprika

Pra finalizar a lista, vamos com um pouco de tempero. Essa animação japonesa, de 2006 e baseada no livro de Yasutaka Tsutsui, traz uma terapeuta que usa de um aparelho para interpretar sonhos dos seus pacientes e ajudar, de algum jeito, em suas vidas. Coloquei o esse filme na lista, dentre tantos outros como Na Natureza Selvagem, Onde Vivem Os Monstros, Cazuza – O Tempo Não Para ou Pi (3,14), porque eu vejo que muita gente ainda torce o nariz achando que animação é coisa feita exclusivamente pra criança. Afinal, tudo depende de como você vai interpretar o filme, a exemplo de O Corcunda de Notre Dame.

Vale dizer também que, apesar de não ter colocado nenhum na lista, eu sou fã quase incondicional das animações da Disney e acredito, verdadeiramente, que o mundo é um lugar infinitamente melhor por causa dela.

Recomendo fortemente cada um dos filmes citados, deixem comentários com suas opiniões e, se não for pedir muito, me recomendem um filme pro final de semana.

Até a próxima e se cuidem 🙂


Gus

Deixe uma resposta