Pequenices

Pequenices Fundo

 

 

Eu em um ponto de ônibus, uma chuva caindo sem dó e uma desconhecida ao meu lado com um guarda-chuva quebrado em uma das mãos, e apalpando os bolsos como se não houvesse amanhã com a outra.

Eu a convidei para vir para o meu guarda-chuva aberto e sorri, ela levou as mãos ao rosto e veio para debaixo do meu guarda-chuva meio desnorteada. Depois de uns dois minutos me explicou que havia esquecido a carteira com o dinheiro do ônibus em casa, no que eu lhe estiquei a mão e lhe ofereci uma passagem amassada que estava na mochila há algum tempo.

Eu não ia usar a passagem, era meu último dia de aula.

Acho que este era o motivo da minha leveza daquele dia. Último dia de aula da graduação, tão suada. Fim da saga. Começo do sonho (que nunca veio – mas isso é assunto para outra hora).

Eu fiz aquelas coisas, por aquela mulher no ponto de ônibus, como que automaticamente, normalmente não é assim. Normalmente a gente demora mais pra tomar atitudes, ainda mais quando elas envolvem pessoas que não conhecemos. Nós pensamos mais de uma vez, esperamos que outra pessoa ajude… por preguiça? Medo de ter a boa ação rejeitada? Não sei, só sei que naquele dia, eu só agi, fiz o que precisava ser feito, sem pensar que poderia ser feito por outra pessoa, sem pensar que eu poderia estar sendo invasiva ou algo do tipo.

Eu só fiz.

Mais tarde, mas, naquele dia, eu descobri que a moça, a que havia usado meu passe e dividido meu guarda-chuva, tinha ido para uma entrevista de emprego, do qual precisava muito, e havia conseguido chegar na hora.  Ela provavelmente seria contratada, me disseram.
Às vezes é tão difícil fazer, apenas e simplesmente. Grandes coisas e até pequenas coisas. A gente pensa e repensa, quando poderia estar fazendo um pequeno esforço que resolveria um grande problema de alguém.
Às vezes, no meio da nossa distração, a gente transforma pequenos atos em grandes feitos. Muitas destas vezes nós nunca saberemos o real tamanho do nosso feito. Mas eu gosto de pensar que todo pequeno ato gera um reflexo importante no mundo, cada pequena coisa.
Estes dias, eu vi algumas pessoas falando sobre doação de cabelo para confecção de perucas para pessoas que perdem o cabelo como consequência de tratamentos médicos como a quimioterapia. Vi que isso era mais fácil do que eu pensava. Achei uma atitude pequena e tão grande ao mesmo tempo.

É interessante ver como as nossas pequenas coisas se encaixam como grandes soluções para o outro quando a gente só faz, de peito aberto. Sem avaliar racionalmente os riscos.

Foi assim naquele dia de chuva no ponto de ônibus,

Foi assim quando decidi cortar mais da metade do meu cabelo no mês passado para fazer a doação,

Foi assim nos dias de maiores perrengues na faculdade e nos antigos empregos,

Foi assim sempre que a vida me deixou desarmada e sozinha, em alguma situação onde só o que eu poderia fazer era depositar toda a minha confiança na vida, ou em algum estranho que passaria a ser um herói, com as suas pequenas grandes atitudes, se assim decidisse, porque todo dia a gente escolhe se quer ser o herói de alguém.

Foram nestas situações que eu encontrei algumas das pessoas mais interessantes que eu poderia querer conhecer, gente que nem sabe que protagoniza as minhas melhores histórias, tão importantes para mim que eu guardo frases por frase, atitude por atitude, como se fossem tesouros.
Eu comecei a lembrar de cada pessoa especial que tornou um dia difícil mais fácil, por pura coragem de não passar adiante a responsabilidade que o acaso te lança os olhos. Gente que escolhe se vai deixar as suas pequenas coisas serem grandes.

A vida é tão boa de se ver quando a gente olha direito.



Bia

Deixe uma resposta