o retorno de saturno

O Retorno de Saturno

Sobre o retorno de saturno e paredes que podem ser portas.

[você pode harmonizar a leitura com Iron & Wine , se quiser ]

Me diga o quanto você se sente confortável na sua casa, ou o quanto se sente confortável na sala de aula, no seu trabalho, nos encontros de família, na sua cidade, no seu próprio corpo…

Me diga o quanto ser você te traz paz.
Eu não tenho pretensão nenhuma de acreditar que ter sucesso na vida se resume a valores materiais, já que eu já passei por algumas situações onde ter dinheiro não me deixava mais confortável. E olha que eu nunca tive dinheiro de sobra.

Agora, idealismo a parte, eu sei muito bem o quanto é importante ter bala na agulha pra suprir próprias necessidades básicas, a questão aqui não é essa, a questão aqui é: o que é básico pra você?
Pra mim uma coisa muito importante compõe meu atual pacote básico de necessidades: Estar a vontade na minha própria pele.

Eu não sei se você está no tempo certa da vida pra entender o que eu tenho pra te dizer hoje, mas já que no último texto falamos sobre a tranquilidade não ser um lugar, eu acho por bem que falemos também sobre estar a vontade em ser você mesmo e sobre a confusão que rola durante o retorno de saturno.

Eu tenho mudado muito nos últimos dias, algumas mudanças forçadas e necessárias, outras naturais, outras delas foram ocasionadas pelas mudanças lá fora, e algumas tantas necessárias por causa das mudanças de dentro. Mas o inegável é que quando a gente muda, chega uma hora que fica muito visível pras pessoas.

Em relação  a isso, é bom entender que as pessoas vão te ver mudar, algumas vão querer ficar ainda mais, outras ficarão confusas mas vão pagar pra ver e outras vão se encher deste novo você e vão partir. (Uma hora a gente fala destas partidas)
Mas é isso, eu tenho mudado.

Há alguns dias vieram com aquele papo de que eu mudei.
– Você tem mudado dia após dia, hoje estou certa de que não vejo aqui a mesma pessoa que vi quando te conheci.
– Ninguém nunca me definiu tão bem – respondi.

Eu não expliquei pra pessoa, mas quero falar disso com vocês.
Retorno de saturno ou não, há tempos que eu não me sinto confortável estando na minha pele.

Houveram dias em que eu não me reconhecia em nada. Nem no que eu vestia, nem no que eu produzia, no que eu escrevia, no que eu assistia, no que eu lia, no que eu ouvia e respondia. Eu não me via em nada.
Era a minha pele, mas não era eu e isso é estranho demais.
Partindo dessa insatisfação eu fui buscar em mim alguma coisa que se parecesse com a imagem que mais fizesse sentido de “o que sou eu” que eu pudesse encontrar.
Estou buscando dentro, fora e por toda a parte. Desde então foram umas boas tantas metamorfoses. As rotinas tem sido sempre sentidas de forma diferente ultimamente. É tudo igual mas eu ando experimentando as mesmas coisas de outras formas, com outros sentidos e com outros olhos.

Eu passo por lugares que já estive e desta vez tento procurar outras esquinas, outros sons, novas coisas pra aprender das velhas coisas. É como se eu já tivesse passado por tudo mas algo tivesse ficado pra trás. As vezes eu sinto que preciso disso pra poder seguir em frente. Buscar o que eu esqueci por medo do que alguém pode achar ou pensar.
Eu tenho tentando ser muito fiel as minhas vontades, verdades e escolhas. Estou passando por tudo e tentando não esquecer nada desta vez. Estou intensificando o meu amor pelas coisas que sempre amei e tem sido intenso.
Eu sempre achei que os chacoalhões que a vida dá na gente servem pra tirar a gente do lugar. Alguns destes chacoalhões parecem não cansar de se repetir, então o que passa por minha cabeça é que se está acontecendo novamente foi porque eu deixei de aprender tudo que devia ter aprendido da última vez, eu devo ter deixado passar algum detalhe muito importante.

Se sentir a vontade dentro de si mesmo faz com que você esteja presente pra tudo que acontece, faz com que você efetivamente protagonize tudo, e quando você sente os detalhes você consegue achar as saídas dos lugares onde você não quer estar.

– A solução está sempre nos detalhes e o que parece uma parede, se você olhar bem, pode ser uma porta.

ps: se você pegou a referência de Being Erica, me manda inbox e vamos ser amigos.

 

Deixe uma resposta