O Pequeno Príncipe e Eu

Fundo litle prince

 

 

 

Quem viu que vai lançar filme de “O Pequeno Príncipe”?

Viu o trailer já? Está perdendo tempo, se não viu. Mas tem problema não, pois: Vos trago Links!!  Tudo no fim da postagem, mas não deixe de ler tudo, tá?

Preciso dar graças por ter crescido em uma família que sempre valorizou a leitura, inclusive com uma tia bibliotecária. Dá pra imaginar que eu não ficaria longe dos livros por muito tempo.

E não fiquei nada.

Meu primos mais velhos começaram a ler um pouco antes de mim e eu me lembro até hoje da vontade que eu tinha de começar a ler logo pra acompanha-los nas aventuras dos Gibis e livros. Tanto foi que, quando eu estava prestes a entrar no pré, eu já lia e por este motivo eu “pulei” esta fase da escola.

É isso aí, eu não fiz o pré! E essa foi a primeira vez que eu burlei o sistema.
Ok. Brincadeiras a parte.

O Pequeno Príncipe foi lido por mim no auge dos meus 11 anos, quando encontrei o livro perdido na casa da minha avó. Eu não sei de quem era o livro, mas ele tinha cara de já ter sido folheado muitas vezes. E, eu fui correndo ler, acreditando que seria “o livro”.

Eu li e achei uma palhaçada sem tamanho. Como assim um menino sozinho no nada? Como assim ele só dizia umas coisas sem muito sentido e pedia uns desenhos enquanto deveria estar chorando e desesperado? Cadê a mãe deste moleque? Alguém chama o conselho tutelar.

Eu não sabia o que era conselho tutelar na época, mas eu pensei o resto das coisas todas. Eu não conseguia ver lado bom em ler um livro daqueles. Abandonei.

Depois de uns 2 anos, ainda sem me conformar em não ter gostado de um livro tão bem avaliado por todos, me atrevi e peguei emprestado na biblioteca da minha escola durante o ensino médio e foi como se eu lesse outro livro.
Foi diferente. A história fez o sentido mágico e encantador, que é o sentido certo no caso deste livro.
Depois disso, eu repeti a leitura mais algumas boas vezes e ano passado de novo, numa versão que tenho em e-book. (sim, preciso de um em papel!)
Cada vez a história faz mais sentido. Hoje é uma das histórias que eu tenho verdadeira paixão e sim: estou ansiosa para o lançamento do filme.
É um desenho com uma trilha sonora de fazer o coração cantar de ternura (haha).
A quantidade de fofura que você pode ver no trailer é de doer.
Juro, assiste!

Ah, e falando na trilha sonora, temos “Somewhere only we know”. E com um adendo: a música é toda clássica com a Lily Allen no vocal.
É, meu amigo. Meu coração virou um pão de mel depois que eu ouvi essa versão pela primeira vez, que já foi utilizada em outro filme infantil (que eu A-M-O), diga-se de passagem.
Essa música já era muito boa. A letra, linda. Entra em uma sintonia com a história do livro que só ela. A frase, que é o nome da música, por si só já faz a imaginação viajar.

“Somewhere only we know”

Um lugar que só nós conhecemos.

Todo mundo que já teve ou tem um “nós”, entende essa frase.
Seja do jeito mais bruto e óbvio de “lugar” aonde iam sempre, ou onde a relação (seja amizade ou amor) teve início. Ou filosofando no sentido mais profundo da coisa, o “lugar” pra onde as pessoas costumam ir quando existe uma conexão muito forte. Uma espécie de universo paralelo, que, às vezes você, encontra em uma conversa, em um abraço, ou no fundo dos olhos. Mas seja lá qual for, é uma dimensão particular, que ninguém de fora poderia compreender. Algo especial.

A música já era incrível, na voz do Keane. Ele que já tinha desenvolvido um clipe meio lúdico, com a banda toda no meio da água tocando e uns bichinhos simpáticos com o coração que acendia no meio da floresta. Agora, na voz doçura da Lily, pra dar som de fundo para uma obra que já plantava tanta imaginação em todo mundo que gosta. Tem preço? Tem nada!

Quero só ver quem não vai se debulhar no cinema e sair de lá montado em unicórnios e vendo nuvens cor de rosa. Vendo a vida mais bonita.
Escolha de trilha sonora a dedo, na minha opinião.
Eu, normalmente, não peço para o tempo passar rápido por nada, porque já acho que a vida é curta demais pra querer que ela voe, mas estou esperando outubro com muita ansiedade. Confesso.

Eu vou terminar o texto com o link do primeiro trailer do filme (dublado em português pra ninguém falar mal de mim). Lá você vai poder sentir um pouquinho do que eu escrevi aqui, e espero que se motive a ver o filme tanto quanto eu.

 

 

Somewhere Only we Know (Keane): https://www.youtube.com/watch?v=Oextk-If8HQ

Somewhere Only we Know (Lily Allen): https://www.youtube.com/watch?v=Ve9cBwI-pAg

Trailler 2: https://www.youtube.com/watch?v=6Hfnttt1BRA

Trilha Sonora do Trailler 2 (Gabrielle Aplin: Salvation): https://www.youtube.com/watch?v=3IEMnWhT_7c

Uma semana mágica pra você.

Bia

Deixe uma resposta