esquecemos que somos carne e osso

Esquecemos que somos carne e osso

Mais semanas do que eu deveria depois eu volto ao mesmo lugar de antes e sinto a culpa nas costas com o peso de dois elefantes transando por não ter postado no blog.
– Eu estava ocupada – digo mentalmente.
Não, eu não estava. Se estivesse não teria escrito tanto nos últimos dias.
Escrevi sobre tudo que aconteceu nestes dias que estive fora, escrevi sobre a falta de internet, sobre a mudança de fora, escrevi sobre a mudança de dentro…. inúmeros blocos de notas salvos no computador.
Mas ainda não me perdoei por ter passado mais tempo do que precisei fora daqui.

Hoje, domingo, meu “dia sagrado de postar” acordei e com uma caneca grande de café preto sem adoçar do lado, me acomodei no sofá, retirei a pulseira da festa do dia anterior e comecei a pensar no quanto me sentia oca.

Abri automaticamente o facebook ( me odeio quando me dou conta que faço isso sempre – mesmo tendo mil coisas mais importantes a fazer, abro o facebook ) Mas como refleti na minha meditação matinal diária – aquela que me salva – “tudo está no seu devido lugar. Nada acontece diferente do que tem que acontecer”. Lá mesmo, naquele portal sem fim que deleta as responsabilidades da nossa mente – o Facebook – eu achei a postagem do dia, numa página chamada Onde Jazz Meu Coração  que caso não conheça ainda, está perdendo tempo.

Eu não fui capaz de escolher um só trecho pra colocar aqui, então coloquei na integra a postagem da moça iluminada que me trouxe aos olhos e depois à boca, as palavras que até então estavam engasgadas em algum lugar do meu sistema digestivo me fazendo enjoar.

“ eu vou ser sincera
eu quero sempre ser sincera
contigo e comigo
eu tô um bagaço
olheira, boca seca, falta de apetite
eu ando cansada demais
minhas costas doem muito
às vezes tenho a sensação
que perdi mesmo a cabeça
mas os dias continuam
e eu vou dando um jeito
de ir com eles

você percebe que chamam a gente
de forte o tempo todo
mas esquecem que somos
carne e osso?

eu não quero ter que fugir de mim
eu não quero ter que fugir de você
eu não quero ter que fingir
que sou inabalável
desde quando se empoderar
é não cair?
conhecer as ladeiras
nem sempre evita
que a gente escorregue por lá
e estabaque a cara no chão
e tudo bem, tudo bem errar

ontem eu deitei na cama
fechei os olhos
e tentei esquecer
todos esses nomes
que moram em mim
são tantos andando aqui dentro
que fico alternando entre ser tão boa
e tão péssima nessa coisa de deixar ir

depois tentei lembrar do barulho das ondas
morar longe do mar
me murcha inteirinha
como me faz falta o desaguar

hoje eu só vou dar conta de cuidar de mim
não posso doar quando estou oca, entende?

você me chama de rainha
mas não banca o elogio
porque não reina comigo
eu amo a minha solidão
mas também preciso de abraço
de colo, de porre, de convite
de ajuda, de norte, de fé

comigo ninguém pode
ou eu é que não posso
com ninguém?

às vezes quando falo sobre desmoronar
dizem pra deixar pra lá
eu nunca vi tristeza passar
sem ser sentida
ignorar as feridas
não vai estancá-las

tem que parar, olhar
lavar, passar remédio
e soprar, não tem?
a poesia não quer dizer
que sobreviver é artístico
sobreviver dói e arranca sangue
é que as palavras tem dessas
de acalentar

não se iluda
hoje eu não vou pra fronte da luta
nem precisa me chamar
eu não desisti não
só tenho que me restaurar

então vem sentar no sofá comigo
falar besteira, fumar, beber
cozinhar alguma coisa
conversar sobre as galáxias
até seis da manhã

curar começa quando
dizemos nossas verdades.”

Escritora: Ryane Leão
Postado na página dela: Onde jazz meu coração

O que me ocorreu é que aqui é o meu lugar de dizer minhas verdades. Aqui é meu lugar de salvação. E eu o abandonei e enlouqueci. Eu abandonei por outras pessoas, lugares e coisas que não abandonariam suas salvações por mim (e nem deveriam já que antes de querer salvar devemos nos salvar). Eu coloquei várias pequenas coisas em cima da minha salvação e quando não recebia a mesma doação de volta eu me irritava muito. Irrito.
Expectativas nossas de cada dia. A nossa adaga mais afiada.
Acontece que eu acordei e voltei. A salvação em primeiro lugar e aqui está ela, e aqui estou eu, de volta e sempre.

Ryane, querida, toda minha gratidão a você, e as suas palavras certeiras.

E vocês aí, deem um jeito de se salvar e de não abandonar as suas curas.

Com amor,
Bia

Deixe uma resposta