Adoro Mulher Baixinha

adoromulher baixinha

 

 

 

 

Não sei se você sabe, mas eu tenho 1,72 de altura, e durante a vida toda, eu tive que ouvir  frases como estas:
– Adoro as baixinhas.
– Menores frascos contem os melhores perfumes.

E por aí vai.

Ontem foi a vez de surgir uma hashtag, sobre o assunto, nos trendings do twitter (#tenho1,54). Não sou de “dar pelota” pra essas Tags, mas ela me fez lembrar de todas estas frases do passado.

Eu sei que a minha altura não é nem lá tão exorbitante. Mas eu sempre fui a mais alta. Com 12 anos eu já era muito mais alta do que os outros trinta e tantos alunos da minha sala (É, a Magrela gigante da turma).

Até hoje, basta colocar um salto de 12cm que seja e pronto: Sou um poste de 1,84cm.

Precisa trocar lâmpada? Opa!! Tamo ai!

Na adolescência, talvez tenha sido a pior parte. Por que meninas começam a se desenvolver e, crescer -por assim dizer-, um pouco antes do sexo oposto. Logo, eu era mais alta que quase todo guri da minha idade.

A pediatra disse que eu cresceria até 1,80. Bom, ela errou. E eu já agradeci demais. Hoje nem tanto.

Ter 1,72. Significa ser mais alta que a média (aproximadamente 1,61 para o Brasil), mas ser mais baixa que a média das modelos de passarela. Logo, eu era alta suficiente para não parecer muito comum mas não o bastante para usar isso a meu favor, profissionalmente falando.

Eu já conheci caras que confessaram evitar as altas por que se sentiam constrangidos por serem mais baixos.

Sério que isso machuca o ego de alguém? Mais do que as frases do início do texto?

Eu fico me perguntando como um cara baixinho se sente ao ouvir uma mulher (alta ou baixa) dizer que prefere caras altos…

Não sei até onde esse comentário é saudável.

Hoje eu sou muito bem resolvida com a minha altura. E confesso que gostaria de ser mais alta. Gosto de como eu sou, e, apesar de nunca ter me sentido inferior por causa da minha altura, hoje é algo que me agrada. Eu não me imaginaria de outra forma.

Já conheci mulheres mais altas que eu e que tinham um complexo absurdo da própria altura, do tamanho dos pés…. E já convivi com mulheres mais baixas que também eram complexadas por serem pequenas.

Hoje eu só acho tudo isso uma babaquice.

Dá pra ser baixinha e ser um mulherão. Dá pra ser altona e ser fofinha.

Só não dá pra não se aceitar.

O biotipo pouco importa. E seria ótimo se esta estereotipagem parasse por aqui.

A altura é só a ponta do novelo, que, se desenrolar, dá postagem até o ano que vem. E eu sei que vou falar mais disso por aqui, um dia, porque é algo que me incomoda muito.

Por favor, caras do “prefiro as baixinhas” e mulheres do “prefiro os altões”: Parem!

Não é o aspecto físico que vai definir quem vai te trazer mais sorriso pro rosto e leveza pra alma. O amor vai muito além!

Melhore!

<3

Deixe uma resposta