a nossa paixao por se decepcionar

A Nossa Paixão Por Se Decepcionar

Ouvi estes dias uma frase que era algo como:
É complicado esse negócio de você supor coisas e atitudes das pessoas. Por que aí, você vai se decepcionar o tempo todo.

Então hoje é isso: vamos falar sobre a nossa paixão por se decepcionar.
Vamos falar sobre isso e o porque a gente sempre acha que se o outro não atendeu as nossas expectativas, a culpa é dele.
Gente!
Lendo assim, será que você consegue me entender?
Vamos partir do princípio de que as pessoas são seres diferentes e independentes. E que mesmo que a agente tente se parecer com alguém, essa tarefa não será completa com perfeição por que, adivinha: somos seres únicos.
Nós temos convicções diferentes, opiniões, gostos e crenças diferentes. E uma coisa muito importante de se dizer: nós olhamos pra vida de forma diferente.
Estes dias numa mesa com amigos, conversávamos sobre o quanto eu achava irritante receber emoticon de joinha no whatsapp. Alguns amigos acharam aquilo absurdo. Outros demonstraram aversões  diferentes das minhas, e eu,  por minha vez não entendi.
Diferenças.
A forma de recebermos as mensagens é diferente.

No meio de uma apresentação em podcast que ouvi, estes dias, o palestrante começou a expor técnicas de relacionamento, e um detalhe muito importante que ele fez questão de frisar foi:
Cada pessoa tem o jeito que prefere ser tratada para que possa se sentir valorizada.

Ou seja, o que pode fazer com que eu me sinta querida, pode não funcionar pra outras pessoas. Olha que coisa incrível.

Somos diferentes. Somos únicos nas nossas diferenças.
Na mesma palestra, ele ressalta: Não crie expectativas.
Conselho babaca, que salva vidas.
Somos diferentes, não crie expectativas.
Eu sei que a gente faz isso meio que automaticamente e tal mas, dá uma auto avaliada aí:
Pensa na ultima situação que te deixou irritado(a), ou na ultima pessoa que te magoou. Avalia se este instante de incomodo foi causado pela pessoa conscientemente, com a motivação de te causar mágoa, ou se foi só uma expectativa que você tinha e não foi suprida. Pensa!

Mais uma observação que chegou aos meus ouvidos na palestra:
Suponha menos. Pergunte mais.

Tatua isso no pulso, amigo. Tatua porque é lição preciosa feito ouro.
Pergunte se a pessoa teve a intenção que você acha que teve ao fazer o que fez ou dizer o que disse.
– Você teve a intenção de me magoar?
Simples.
1. Não crie expectativas.
2. Pergunte antes de supor.
As vezes, a gente perde tempo demais supondo e esperando, enquanto poderia estar por aí ganhando sorrisos de quem a gente deixou partir pelo simples fato de ter esperado outra atitude ou ter deixado de fazer as perguntas certas.
As nossas expectativas e as nossas suposições ainda vão nos enterrar vivos e infelizes com a mala cheia de mágoas conquistada por toda uma vida.

A escolha de se decepcionar ou não é sua. Está nas suas mãos.

Bia

Paulista, louca dos signos, determinada e inconformada. Tem a escrita como válvula de escape. Passou boa parte da vida idealizando uma vida e vivendo outra e, agora, tudo o que ela quer é começar a tirar os planos do papel. O blog Andei Pensando é um deles!

 

Deixe uma resposta